artigos Publicado em 12 de julho de 2010

Sobre discurso feminista em publicações: a política do Grupo Transas do Corpo

Joana Plaza Pinto*

Uma sociedade não produz uma única forma de ver a realidade. Dividida pelos interesses antagônicos dos diferentes grupos, uma sociedade produz discursos contrários entre si. Mas há alguns que predominam sobre seus contrários numa dada época, refletindo os interesses de grupos dominantes: os discursos hegemônicos. As contrapartes antagônicas desses discursos dominantes são fortemente submetidas a formas de controle e conjuradas para se passarem por enfraquecidas. Cientes desse jogo discursivo de poder, os discursos feministas proliferam sua discussão sobre a problemática de gênero, defendendo uma sociedade plural, justa e solidária, sem contudo se deixar classificar dentro de alguma tipologia normatizadora. O Grupo Transas do Corpo, ONG feminista brasileira, busca tornar visível cada vez mais a diversidade discursiva feminista e promover a voz das mulheres no campo de discurso público. Para isso, identificou a necessidade de criar espaços de produção de textos de mulheres, de forma a criar e fortalecer a capacidade de letramento das mulheres no contexto das tecnologias de escrita contemporâneas. Para atender a esses objetivos, o Transas elaborou uma política de publicações.

*Colaboradora do Grupo Transas do Corpo

Resumo de artigo publicado orginalmente  e na íntegra em : Rev. Estud. Fem. vol.12 no.spe Florianópolis Sept./Dec. 2004